Post Type

Desde bem pequenos, os bebês aprendem que quando choram, recebem alimento, quando sorriem, recebem sorrisos. A lei da ação e reação não fica apenas na orla da física. As emoções e comportamentos são modelos visíveis dessa teoria.

“A gentileza gera gentileza“ como pregou o grande José Datrino (conhecido como profeta gentileza).

Conseguiríamos parar de comer um delicioso e crocante frango a passarinho se não soubéssemos que infelizmente nos causaria excesso de peso e mal estar? Claro que não. Quem iria trocar horas de prazer na praia ou piscina por uma jornada pesada de trabalho se no final do mês viesse normalmente o seu salário?

Fica bem evidente que se as reações não fossem coerentes com as ações, assim como, se não houvesse sintonia das consequências pelas as atitudes, o mundo seria bem diferente.

É essa concepção que desenvolve no homem, a noção de respeito, de cidadania e de solidariedade.

“É de pequeno que se torce o pepino”, como diziam os antigos. Os estudiosos concordam em unanimidade que as crianças aprendem mais rápido quando são pequenas. A vivência de consequências coerentes, sensatas e amorosas é fundamental na fase em que os valores estão se formando. Colabora para a construção de adultos caridosos, responsáveis, autônomos, felizes, honestos e principalmente equilibrados.

As consequências exageradas, injustas, deprimem, ofendem e enraivecem a criança.

A escola sempre teve como função, o ensinar, transmitir conhecimento. Hoje, as escolas de vanguarda se preocupam com o ensinar e ainda em ser parceira no ato de educar.

Não se trata de forma alguma terceirizar o serviço que é de responsabilidade da família e sim, ser uma parceria na fase mais importante da vida, a infância. É na escola que temos educadores, profissionais especializados na formação integral das crianças.

Quando nossos filhos choram por quererem algo ou por terem que esperar para ter, é fundamental nos lembrarmos que quando os ensinamos a esperar, a aceitar o não quando necessário, estaremos ensinando que a vida é repleta de altos e baixos e o equilíbrio ajuda encontrar soluções.

Se pudermos fazer alguma coisa construtiva para deixarmos para o futuro, sem dúvida posso afirmar que seria semear a honestidade, o respeito e o amor através da formação desses futuros cidadãos.

A criança que teve uma formação com consequências sensatas certamente se transformará no homem que poderá ser um transformador político e social.

Busquemos EDUCAÇÃO de qualidade para nossos filhos.

Ciranda – Gestão em Educação
Jacqueline Martins de Moraes
Diretora Pedagógica da Ciranda
Rua Germano Caselatto, 75 – Barão Geraldo
19 3289-0005 | 3288-0824
www.cirandaescola.com.br

Deixe um comentário