Post Type

Casarão, espaço de eventos localizado no bairro Gramado, em Campinas, foi palco do desfile da segunda coleção primavera-verão da grife Ju Mori, da estilista Juliana Mori. O evento aconteceu no dia 2 de outubro e contou com a presença de cerca de 150 convidados. As 20 peças que compõem a coleção mostraram elementos da cultura dos índios Maori, que foram os primeiros habitantes da Nova Zelândia, antes da chegada dos europeus. A escolha do tema teve influência do período em que a estilista morou no continente asiático.
Formas geométricas e desenhos que fazem referência às pinturas abstratas, aos trabalhos manuais com trançados e às tatuagens no corpo e no rosto dos Maoris aparecem nos looks, que esbanjam leveza e criatividade.  “Quis reverter os rituais e as tatuagens nas estampas. Já as formas geométricas, usei tanto na estamparia, como na modelagem das roupas”, explica.
Os desenhos empregados em detalhes das roupas e nas alpargatas pintadas a mão foram desenvolvidos por Gustavo Sacco, tatuador brasileiro especializado em arte Maori, com a consultoria de Juliana, que também é graduada em Design Gráfico pelo Whitecliffe College of Arts and Design, em Auckland.
As cores relacionadas à natureza estiveram presentes em calças, saias longas, regatas, pantalonas que viram saias, shorts-saia e vestidos curtos e longos. Verde-água, off-white, coral, azul marinho, mostarda, marrom e dourado apareceram nas peças confeccionadas em rami com seda e algodão, linho, poliamida, algodão puro e algodão com seda. O público também elogiou os acessórios que compuseram os looks e incluíram colares, brincos, pulseiras e anéis, feitos em madeira, vidro derretido, barbante e corda, produzidos pela artesã campineira Rosa Maria Bernal. As camisas da nova linha de camisaria da grife Ju Mori também foram mostradas em primeira mão no desfile.
Todas as peças podem ser adquiridas pelo site da estilista (www.byjumori.com) ou através das consultoras de moda que a representam na região de Campinas e atendem os clientes através de agendamento de visitas. Todas as criações de Juliana também poderão ser provadas no ateliê que ela e sua sócia, Yumi Tuleski, irão inaugurar no Casarão.

 

 

 

Vamos combinar!

Os fashionistas já elegeram uma nova tendência: os conjuntinhos. A moda das peças coordenadas, tida como duvidosa por um longo período, voltou a reinar nas passarelas há pelo menos duas temporadas. Enfim, combinar está na moda. As peças coordenadas, que por muito tempo ficaram encostadas nos guarda-roupas, voltaram à cena. Mais uma vez, provando que nada é para sempre na moda, nem mesmo as proibições. Na hora de escolher um conjuntinho, preste atenção na modelagem. Prefira blazers acinturados e calças retas ou skinny. A flare só vale quando usada com uma blusa ou blazer ajustado. Quem gosta da moda chamativa pode também investir em conjuntinhos metalizados nas produções noturnas.
Outra opção moderna: conjuntinhos de moletom, que agora aparecem com detalhes bordados ou estampas diferenciadas, reforçando a tendência do esportivo chique.
Fuja dos tons pastel, pois eles dão um ar infantil nas produções. Também não são recomendadas as peças com estampas florais miúdas, que se assemelham ao pijama da vovó. Conjuntinhos com tecidos mais pesado, como tweed e jacquard, são clássicos e elegantes, mas envelhecem qualquer uma.