Post Type
Relatório do Greenpeace lista as empresas de TI que mais usam energia suja para armazenar dados e arquivos dos internautas no ambiente virtual

Pesquisa divulgada pelo Greenpeace mostra que, muitas vezes, os servidores em nuvem mantidos por gigantes do TI são supridos por fontes sujas ou não renováveis. É o caso da Apple, Microsoft e Amazon, aponta o levantamento. O relatório intitulado “How clean is your cloud?” (no português, “O quão limpa é a sua nuvem?”) indica que mais da metade da energia que alimenta a nuvem da Apple tem origem em fontes sujas, principalmente o carvão, um dos grandes emissores de gases que agravam o aquecimento global (efeito estufa). Indignada, a apple reagiu às alegações do Greenpeace, afirmando que o seu datacenter na Carolina do Norte, o maior da empresa, está passando por reformas para, em breve, funcionar 60% movido por fontes renováveis, que incluem uma fazenda solar e uma instalação de células de combustível, segundo o porta-voz da Apple, Kristin Huguet.

O desempenho da Amazon e da Microsoft também deixou a desejar na avaliação da ONG ambientalista, já que menos de 15% da energia usada pelas duas empresas tem origem renovável e limpa. De acordo com o estudo, quase um terço da demanda da multinacional de comércio eletrônico é suprida pela energia nuclear. À medida que mais gente se conecta à nuvem, a demanda por energia se intensifica. Os dados impressionam: segundo o relatório, alguns datacenters usam a mesma energia necessária para abastecer 250 mil residências europeias. E mais, se a nuvem fosse considerada um país, ela seria o quinto maior consumidor de eletricidade no mundo. A expectativa é de que essa demanda triplique até 2020.

Para o Greenpeace, algumas gigantes do TI dão bom exemplo ao priorizar medidas para alimentar seus servidores com energia limpa, melhorando assim, a perspectiva de um futuro mais verde para o setor. Hoje, a energia limpa e renovável responde por 56% da demanda do Yahoo e 39,4% do Google.

Enquanto o Facebook, criticado ano passado por não parecer demonstrar interesse nas fontes de energia verde, vem realizando esforços reais e transparentes para ter servidores mais amigos do meio ambiente, diz a ONG. A empresa de Mark Zuckerberg usa 36% de energia limpa e está construindo um novo centro de dados na Suécia totalmente alimentado por fontes renováveis.