Post Type

Revista Baronesa teve a oportunidade de entrevistar um dos maiores goleiros do futebol mundial em todos os tempos, Marcos – O São Marcos do Palmeiras
Ele começou sua carreira no modesto Lençoense, mas foi no Palmeiras, clube que defende desde 1992, que sua estrela brilhou.Estreou no verdão em 1996 mas só em 1999 com a lesão do goleiro Velloso, assumiu o gol na quinta rodada da Libertadores para nunca mais deixar os corações alviverdes.
Carismatico, talentoso não esconde o amor pelo que faz e pela camisa que veste, confira a entrevista:

1-    Marcos, hoje no futebol é difícil o jogador ter uma ligação forte com o clube como a sua com o Palmeiras, qual é o segredo para ficar tanto tempo em um único clube, já que você já recebeu propostas de grandes clubes europeus como o Arsenal?
R:    Acho que o segredo é ter comprometimento com o clube. Eu sou de uma época diferente. Hoje, os jogadores recebem mais propostas e o mercado mudou. Além disso, eu sempre tive tudo no Palmeiras. A estrutura sempre foi ótima, os dirigentes sérios e o clube sempre me deu tudo.
Nunca tive motivos para sair, mesmo com propostas melhores. Sempre fui feliz aqui.
2-    Você está sendo muito questionado se vai parar no final do ano, caso isso aconteça você acha que os goleiros reservas (Bruno e Deola) podem manter a tradição da escolas de goleiros do Palmeiras?Depois de sua aposentadoria você continuará trabalhando no Palmeiras?
R:    O Palmeiras tem uma escola de goleiros fantástica e acho que o clube está bem servido para essa posição. O Bruno e o Deola já provaram que possuem condições e, além disso, temos uma molecada muito boa treinando com a gente, casos do Raphael Alemão, do Carlos, do Fabio e do Borges. Quanto ao meu futuro, penso em fazer parte da comissão técnica, mas meu pensamento está só para dentro de campo no momento.
3-     Como o goleiro que foi penta campeão do mundo em 2002 com a seleção, você acha que o Brasil estará bem representado com  Julio César vestindo a número 1 do Brasil na Copa do Mundo 2010?
R:    O Brasil sempre estará bem servido no gol. Falavam que não tínhamos bons goleiros, mas isso tem mudado. Veja quantos goleiros brasileiros jogam em alto nível na Europa. Acho que os goleiros brasileiros são os melhores do mundo e o Júlio César está praticamente perfeito, tanto na Inter de Milão quanto na seleção.
4-     Na sua opinião, qual foi o título mais importante que você conquistou com a camisa alviverde?
R:    Para falar a verdade, todos tem uma importância muito grande. A Copa Libertadores de 99 foi especial, pois foi minha primeira competição como titular e eu fui eleito o melhor jogador da disputa. Além disso, trata-se de um título inédito para o clube. O Paulistão de 2008 me marcou muito, pois eu vinha de dois anos lesionado e já não tinha perspectiva nenhuma de jogar. E a Série B de 2003 foi também muito importante. Só quem esteve lá sabe o sofrimento e as dificuldades que passamos.
5-    Como todo jogador de futebol, você teve um jogador que te inspirou,no seu caso, um goleiro. Qual foi ele?
R:    Minha maior inspiração foi meu pai e minha mãe, devo muita coisa a eles. Dentro de campo, sempre tive o Velloso como ídolo. Quando cheguei no Palmeiras entre 1991 e 1992, quase desmaiei quando vi o Vellosso, pois tinha ele como meu ídolo. O Carlos Pracidelli e o Valdir de Moraes (preparador de goleiros) também foram importantes na minha carreira.
6-    Por ser um jogador tão sincero, alegre e carismático você é um dos poucos, ou talvez o único jogador que tem o respeito de todos os torcedores, sejam eles corintianos, são paulinos ou santistas.Como você faz para ser assim em um esporte que está ficando tão sério e político?
R:    Acho que se conquista com o tempo. É meu jeito de ser. Alcancei o respeito de outras torcidas porque nunca menosprezei ninguém. Faz parte do meu estilo. Infelizmente o futebol está ficando um pouco chato porque não se pode falar mais nada. Às vezes, você fala uma coisa e já distorcem tudo. Mas eu estou acostumado. Importante é ficar de bem consigo mesmo e trabalhar corretamente.
7-    Mande um recado para todos os palmeirenses leitores da Revista Baronesa.
R:    Espero que os palmeirenses e leitores dos outros times tenham gostado da entrevista e espero que continuem torcendo por mim e pela nossa equipe. Um forte abraço e valeu pela oportunidade!